>
 

Por Onde Come├ža Um Avivamento

É comum ouvirmos os gritos daqueles que em suas orações fazem muito barulho, mas não dizem nada para Deus. Constantemente observamos pessoas que cantam entusiasmadas, mas não oferecem verdadeira adoração ao Senhor, pois suas mentes e corações não estão voltados para o trono de Deus durante o louvor; é normal escutarmos de alguns lábios palavras vigorosas contra o pecado, mas no cotidiano os mesmos falam mentiras, fazem promessas de dívidas que não pagam, e proferem frases destrutivas contra o próximo; é corriqueiro testemunharmos joelhos que se dobram com facilidade na igreja, mas têm extrema dificuldade de se curvarem diante da soberana vontade de Deus e obedecer-lhe os desígnios.

Agora, é igualmente comum acharmos que esses tais são os outros. Ou seja, é absolutamente comum enxergarmos falhas como essas nas pessoas que estão ao nosso redor e deixarmos passar despercebidas as mesmas coisas em nossa vida.

Por isso mesmo é que Jesus disse: "Por que reparas no cisco que está no olho do teu irmão, quando não percebes a trave que está no teu? Ou como poderás dizer ao teu irmão: Deixa-me tirar o cisco do teu olho, quando tu mesmo tens uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão." (Mateus 7:3-5).

Se queremos um avivamento genuíno que desperte nossa igreja, que traga a luz de Deus sobre as trevas da nossa sociedade, temos de compreender que esse avivamento precisa ter início em mim, em você, enfim, em cada um de nós.

Portanto, uma maneira de avaliarmos se é sincero o nosso desejo de avivamento é observando nossa disposição de julgarmos a nós mesmos, de buscarmos em Cristo uma nova atitude de vida, uma adoração "em Espírito e em verdade" que extrapole as paredes da igreja e se derrame em nosso dia-a-dia, que verta e desemboque em vida de honestidade nos negócios, de palavras brandas e carinhosas na família, em sinceridade na comunhão dos irmãos, etc.