photo
Philip D. Walmer

Nascido nos EUA em 1941, formou-se em teologia de Conqueror’s Bible College em 1962 e ingressou no ministério no mesmo ano. Após 12 anos de ministério em vários níveis em sua terra natal, chegou ao Brasil em 1974, onde tem atuado como fundador de igrejas, pastor, evangelista, professor de seminário, entre vários cargos administrativos. Após quase 5 décadas de ministério ele anela compartilhar as coisas aprendidas no decorrer destes anos com pessoas que também anelam um ministério amplo e profundamente sucedido.

Devocional


 
Medo

O medo é um sentimento conhecido por muitas pessoas. Conforme o dicionário o medo é: “estado efetivo suscitado pela consciência do perigo ou que, ao contrário, suscita essa consciência. É temor, ansiedade irracional ou fundamentada, receio. Apreensão ou preocupação em relação a algo desagradável.” Você pode não ter aptidão para descrevê-lo, mas certamente sabe quando tem. Ninguém gosta de sentir medo, porém há circunstâncias da vida que proporcionam este sentimento em maior ou menor grau. Mas, na realidade, não importando a intensidade do medo, ninguém gosta de senti-lo.

Pessoas tem medo de doença, assaltantes, ladrões, cônjuges violentos, animais pequenos e grandes, ficar desempregado, tempestades, vendavais, terremotos, relâmpagos e trovões, enfim, qualquer coisa que poderia violar a integridade de sua vida física e emocional. A verdade é que estas coisas, entre muitas outras suscitam medo no íntimo das pessoas. A medicina psicológica não tem como curar este real sentimento humano, pois só trabalha com as sequelas do medo, não podendo erradicar a raiz do problema.

Uma das muitas razões pelo uso de drogas, tanto lícitas quanto ilícitas é o medo, pois, sem um poder soberano para cuidar do frágil ser humano, estes seres humanos são sujeitos aos problemas da sociedade, problemas de saúde, desafios aprontados por pessoas más e não regeneradas, sem que haja qualquer recurso para aliviar. Tudo começou com a falha de Adão e Eva no Jardim do Éden, e continua devido a insistente atitude do homem que ele pode resolver os problemas sem um poder superior... Deus. 

Considerando este problema sério que aflige tantas pessoas, comecei procurar resposta e cura para este mau de dentro da Palavra de Deus. É surpreendente que a maior parte da raça humana tem rejeitado a fonte da cura das enfermidades e doenças que afligem a raça humana. Ninguém sabe melhor como sarar as pessoas dessas coisas aterrorizantes do que o Próprio Deus que criou o ser humano sem defeitos no início, porém, que as afligem desde a queda de Adão e Eva no Jardim de Éden.

Veja abaixo as gloriosas promessas de Deus por meio de escritores da Palavra de Deus que gozaram a intervenção do Senhor em momentos de medo e terror:

“Em me vindo o temor, hei de confiar em ti. Em Deus, cuja palavra eu exalto, neste Deus ponho a minha confiança e nada temerei Que me pode fazer um mortal?” (Salmos 56:3-4)

“Em meio à tribulação, invoquei o Senhor, e o Senhor me ouviu e me deu folga. O Senhor está comigo; não temerei. Que me poderá fazer o homem? O Senhor está comigo entre os que me ajudam; por isso, verei cumprido o meu desejo nos que me odeiam. Melhor é buscar refúgio no Senhor do que confiar no homem. Melhor é buscar refúgio no Senhor do que confiar em príncipes [governantes].” (Salmos 118:5-9) (Leia Salmos 4:1, 18:19, 27:1-3, 56:4 e 11, Hebreus 13:6)

“Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo. Não se vendem dois pardais por um asse? E nenhum deles cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai. E, quanto a vós outros, até os cabelos todos da cabeça estão contados. Não temais, pois! Bem mais valeis vós do que muitos pardais.” (Mateus 10:28-31)

“Não temais, ó pequenino rebanho; porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino.” (Lucas 12:32)

“O que habita no esconderijo do Altíssimo e descansa à sombra do Onipotente diz ao Senhor: Meu refúgio e meu baluarte, Deus meu, em quem confio. Pois ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é pavês e escudo. Não te assustarás do terror noturno, e nem da seta que voa de dia, nem da peste que se propaga nas trevas, nem da mortandade que assola ao meio-dia. Caiam mil ao teu lado, e dez mil, à tua direita; tu não serás atingido. Somente com os teus olhos contemplarás e verás o castigo dos ímpios. (Salmos 91:1-8) (O leitor pode entender melhor essa passagem por seguir lendo as demais referências dadas nas colunas centrais e laterais de uma Bíblia de estudo.)

Apesar dessas gloriosas e poderosas promessas, há uma mentalidade que existe no meio evangélico que não condiz com a Palavra de Deus. Estas promessas não são para todos. Não são para os ímpios e malfeitores. Não são para os “crentes” infiéis e desobedientes. Pertencem, portanto aos que “habitam no esconderijo do Altíssimo”. Esse “habitar” condiz com as palavras do salmista Davi em Salmos 1:1-2: “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer c está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.”

 A palavra habitar tem os seguintes significados conforme o dicionário: “ocupar como residência, morar, prover de habitantes; povoar, ocupar, estar presente, permanecer”. O uso dessa palavra assim, transmite a ideia de que a mente, coração, alma e os pensamentos estejam sempre ocupados com as coisas que agradam a Deus e não cumprem os desejos da carne.

As promessas do Senhor não são para o frequentador casual dos cultos, nem para quem não se detém na leitura da Palavra de Deus e ama-a de coração e alma. Também não são de quem não faz de seu lar um ambiente no qual Deus tem prazer de habitar, que não tem o “hábito” de orar, não só na igreja, porém, que tem feito de seu lar um ambiente no qual Deus é buscado, honrado, consultado e obedecido. Essas promessas são baluarte para todos que são comprometidos de andar sempre e em qualquer lugar de maneira que agrada a Deus (não o mundo, familiares, amigos etc.). Os fiéis a Deus podem reivindicar essas promessas por serem verdadeiros filhos do Altíssimo. O direito de reivindicar essas promessas pertencem aos que permanecem na videira verdadeira de dia e de noite. (João 15:5)

Philip D. Walmer, Pastor

Avisos

Leitor,

Você quase não encontra tempo para ler Sua Bíblia. É difícil de ler alguns livros, então montei uma tabela de Leitura Bíblica que lhe ajudará. Vá até o site: www.simfiel.com.br/rec_adult.php

 

 

A dádiva de amizade verdadeira é que nos toma pela mão e faz nos lembrar que não estamos sozinhos nesta jornada.